quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

corsarios de levante

A narrativa das aventuras do capitão Alatriste neste sexto volume, "Corsarios de Levante", se passa no início de 1627. Após salvarem o dia no final de "El caballero del jubón amarillo", evitando a grande conspiração contra a vida do rei Filipe IV, os dois heróis de Pérez-Reverte, Alatriste e Íñigo, saem de Madrid e se engajam em um galera espanhola pelas águas perigosas do Mar Mediterrêneo. São corsários, marinheiros autorizados por seu rei a combater navios dos países com quem a Espanha estava em guerra. Íñigo está um tanto mais velho e começa a confrontrar Alatriste, não obedecendo-o cegamente, como sempre fez nas aventuras anteriores. Na primeira parte da narrativa Pérez-Reverte faz Alatriste reencontrar um velho amigo seu, o aragonês Sebastian Copons, na cidade portuária de Orán (hoje na Argélia). Lá eles se aventuram em um saque contra os mouros e acabam se afeiçoando a um mogataz (um muçulmano à serviço das forças espanholas) chamado Gurriato. Esta primeira parte serve também para que Pérez-Reverte faça um pouco de sociologia e história, descrevendo a complexa estrutura dos grupos étnicos e culturais da Espanha do século XVII. Após este interlúdio nas terras quentes da África o leitor encontra uma sucessão de encarniçadas batalhas navais. Ao sairem de Orán e voltarem para o mar o grupo de Alatriste se envolve em arriscadas lutas no Mediterrêneo (sempre tendo como base a licenciosa cidade de Nápoles). Eles chegam a combater até as portas de Constantinopla, num arriscado ataque a uma fotilha turca, secundados por forças dos cavaleiros de Malta. As batalhas navais são muito realistas (Pérez-Reverte é reconhecidamente um especialista em marinharia antiga), vívidas e movimentadas como aquelas de Patrick O'Brian, não deixam o leitor abandonar o livro. Pérez-Reverte consegue adaptar com eficiência passagens históricas reais à sua narrativa ficcional. Os altos riscos enfrentados por Alatriste e seus amigos são proporcionais à fama e a riqueza que acabam alcançando, mas a sorte e a fortuna não costumam ser perenes. O final do livro não é exatamente surpreendente, pois o leitor sabe que os personagens principais sobreviverão para outras aventuras nos volumes seguintes da série. "Corsarios de Levante" é um livro divertido, serve para matar o tempo nestes dias vagabundos de férias, mas não é nada espetacular. [início 16/01/2012 - fim 30/01/2012]
"Corsarios de Levante (Las aventuras del capitán Alatriste) volume VI", Arturo Pérez-Reverte, Madrid: Punto de lectura (grupo Santillana de ediciones), 1a. edição (2008), brochura 12,5x19 cm, 336 págs. ISBN: 978-84-663-2021-4 [edição original: Madrid: Alfaguara, 2006]

3 comentários:

Andressa C. disse...

Bosco, cosmopolita e vocabulariante.

Lívia disse...

Olá, gosto mto do seu blog e estou sempre por aqui pra conferir seus posts, por isso te ofereço um selo q está la no meu blog =)
abraço

Andressa C. disse...

Tu já leu Ghost Light, do O'Connor?