domingo, 19 de janeiro de 2020

100 vistas de tóquio

Shinji Tsuchimochi é um ilustrador japonês de aproximadamente quarenta anos. Entre 2013 e 2016 ele produziu uma série de ilustrações de ruas, restaurantes, paisagens urbanas e monumentos de Tóquio e arredores. A inspiração (também uma forma de homenagem) veio de uma série similar do famoso gravador Hiroshige Utagawa, mestre do ukyo-e do século XIX (o leitor curioso pode conhecer este trabalho na wikipedia e também neste ótimo site: woodblok prints). Os trabalhos de Tsuchimochi foram publicados originalmente em blog e também em redes sociais. As imagens não são reproduções fiéis dos lugares, há algo de surreal, artificial nelas, são quase sempre engraçadas, incluem apelos nostálgicos, emoções contidas, lirismo e esgajamento social. Em quase todas Tsuchimochi inclui ou referências da cultura pop ou típicos personagens folclóricos (yōkai, yurei, obake e kappa, entre outros), seres associados à forças sobrenaturais, demônios e monstros (li há tempos Hungry Ghosts, livro de Anthony Bourdain em que esses personagens aparecem). Tsuchimochi incluiu cinco ilustrações feitas em Osaka, os endereços exatos de todos os lugares, mapas da cidade, úteis para que alguém interessado em conhecer os locais originais possa fazer uma espécie de peregrinação até eles e também uma curta história em quadrinhos. A edição é bilíngue. O tradutor incluiu várias notas explicativas, que contextualizam a ideia básica das ilustrações. Trabalho realmente bonito, que merece ser visto com calma, talvez ao som de músicas tradicionais japonesas, ao som de shamisen, koto ou shakuhachi, sem medo, sem temor. Vale!
Registro #1486 (livro de arte #34) 
[início 05/01/2020 - fim 08/01/2020] 
"100 vistas de Tóquio", Shinji Tsuchimochi, tradução de Drik Sada, São Paulo: editora Estação Liberdade, 1a. edição (2019), brochura 14x21 cm, 128 págs. ISBN: 978-85-7448-309-2 [edição original: Shikaku Publishing Company (Tokyo, Japão), 2016]

quinta-feira, 16 de janeiro de 2020

giacomo joyce 3rd

Li pela primeira vez "Giacomo Joyce" na já icônica tradução de Paulo Leminski, publicada pela Brasiliense em meados dos anos 1980. Era um livrinho pequeno, com pranchas em fac-símile dos originais espelhadas à tradução de Leminiski. A obra é pequena, foi publicada postumamente, após ter sido encontrada nos guardados do espólio de James Joyce (de sua mulher, Nora Barnacle, mais precisamente), em 1968 (as anotações são de 1914, do período em que Joyce morava em Trieste. São aproximadamente cinquenta frases/aforismos/poemas livres. Lê-se em uns minutos, mas não se deve fazer isto. Os registros são como algo balsâmico, que precisam de mais tempo para aguçar todo seu poder, oferecer toda sua potência, demonstrar toda sua universalidade. Depois da de Leminski li meia dúzia de outras versões: a original, claro; as de José António Arantes e de Roberto Schmitt-Pryn, em português; e também várias em espanhol, catalão e italiano. Sempre é uma alegria voltar a estes registros, de um alter ego de Joyce, um professor que se enamora de sua aluna, mas sabe conter-se, purgando apenas literariamente sua lubricidade. Eclair Antonio Almeida Filho, tradutor e professor universitário (da UnB), publicou recentemente sua versão deste livro, editado pela pequena editora independente Lumme. O original do livro pode ser lido aqui! Diversão garantida. Vale! 
Registro #1485 (poesia #124) 
[início 02/01/2020 - fim 04/01/2020] 
"Giacomo Joyce", James Joyce, tradução de Eclair Antonio Almeida Filho, São Paulo, Lumme Editor, 1a. edição (2015), brochura 12x18 cm, 50 págs., ISBN: 978-85-8234-113-1

segunda-feira, 13 de janeiro de 2020

notes a peu de pàgina

Esse curioso livrinho foi publicado originalmente em 1997 por Antoni Pedrola, artista plástico e professor de pintura da Universidade de Barcelona. Em 2002 publicou esta segunda edição, ampliada e corrigida. Como resta registrado em seu subtítulo, neste livro estão reunidas anedotas, lendas e curiosidades do campo da pintura. São notas curtas, provavelmente resultado das aulas de Pedrola, onde ele fala da origem dos pigmentos, resinas e vernizes utilizados em pinturas (nos afrescos, pinturas a óleo, na tempera e nas iluminuras); de técnicas e procedimentos; dos maneirismos de alguns artistas; faz fragmentos biográficos de outros (Giotto, Rafael, El Greco, Delacroix). Não há preocupação em estender-se muito nos assuntos. Em geral as notas capturam apenas o aspecto lendário ou alegórico dos fatos. O livro inclui muitas referências, que aparentemente confirmam a origem das informações mais exóticas e surpreendentes, boa parte delas originalmente citadas em um livro do pintor Cennino Cennini (do Quattrocento italiano) e comentadas em quatro dezenas de livros catalães. Quatro belas e pequenas reproduções de gravuras também estão incluídas nele. Este livro brotou de minha organização recente da biblioteca. Veio na bagagem de doña Helga, de seus tempos barceloneses. Aprendi e diverti-me um bocado. Vale! 
Registro #1484 (livro de arte #33) 
[início 03/01/2020 - fim 06/01/2020] 
"*Notes a peu de pàgina: Llegendes, anècdotes i altres curiositats provinents del camp de la pintura", Antoni Pedrola, Barcelona: editora Addenda, 2a. edição (2002), brochura 13x19,5 cm, 65 págs., sen ISBN

sexta-feira, 10 de janeiro de 2020

antes não era tarde

De tempos em tempos cada cidade tem a fortuna de ter sua psique capturada com notável maestria (por sujeitos como João do Rio, Rubem Braga, Nelson Rodrigues ou Paulo Mendes Campos, no Rio de Janeiro; Luís Henrique Pellanda, em Curitiba; Humberto Werneck, em Belo Horizonte; Guilherme de Almeida, Lourenço Diaféria, Plinio Marcos, Antonio Penteado Mendonça e Matthew Shirts, em São Paulo, apenas para citar uns poucos). Aqui nos pagos do Rio Grande, nos últimos anos, tenho lido regularmente as cousas de Pedro Gonzaga. Leio ele no jornal gaúcho ZeroHora, usualmente nas quartas-feiras. É certamente meu favorito contemporâneo, dentre os cronistas sulinos. Suas cousas são exemplares no gênero, registros de um cotidiano específico (a sofisticação de quem gravita o mundo dos livros e da cultura aqui no Sul), que provocam empatia no leitor, mas não só isso. A riqueza da linguagem e o controle dos efeitos também se destacam. Há dois anos li "O livro das coisas verdadeiras", uma seleção cronológica de 53 de suas crônicas. Nesse "Antes não era tarde" Gonzaga reuniu outras 54, publicadas entre 2016 e 2019. Desta vez ele optou por uma reunião temática, que parte de registros da infância, segue pela juventude, depois por sua experiência como músico amador, seus anos de iniciação como cronista profissional e as mais recentes, que ainda ecoam notícias vagamente contemporâneas. Esta sequencia temática acompanha portanto seus anos de formação; sua constelação familiar, de amigos e professores; seu cotidiano de viagens, com os pais e depois com amigos; a experiência da leitura, influências, descoberta de autores, o amor pela palavra, o eterno aprendizado, seu auto adestramento no oficio de tradutor e escritor. As crônicas da última seção são mais experimentais, parecem exercícios com a forma, registros de espantos de um mundo que sabe ser maravilhoso, mas que pode nos brutalizar, se não nos permitirmos olhar as coisas com os olhos certos, os de quem antes é honesto consigo mesmo, não aos outros. Vale! 
Registro #1483 (crônicas e ensaios #266) 
[início 19/12/2019 - fim 03/01/2020] 
"Antes não era tarde", Pedro Gonzaga, Porto Alegre: Arquipélago Editorial (A arte da crônica, vol. 9), (1a. edição) 2019, brochura 14x21 cm., 144 págs., ISBN: 978-85-5450-033-7

domingo, 5 de janeiro de 2020

dois meninos

Em "Dois meninos", de Leonardo José Andriolo, administrador e professor universitário, encontramos onze contos curtos e uma breve crônica. São histórias honestas, se não exatamente inventivas, algo produzido por alguém que está se familiarizando com a forma e não tem medo de parecer piegas, de experimentar variações, de mesclar a memória afetiva de antepassados com alguma curiosidade literária. A ambição confessa do autor é "mexer com a sensibilidade do leitor e, se possível, surpreendê-lo". Os contos são bem escritos, e se deixam ler sem pressa. Alguns são relatos que brotaram de histórias familiares, são homenagens a pessoas queridas, a seu legado e esforço; um terço deles são causos que flertam com o gauchismo, com o realidade da imigração europeia nestas terras, aquele tipo de histórias que se contam em reuniões de amigos, de origem indeterminada, mas que parecem já ter sido ouvidas de/ou sobre algum parente; outro terço são contos clássicos, que exploram as possibilidades do gênero, com um tanto mais de liberdade, originalidade e risco. Gostei particularmente de "A moça dos olhos tristes", talvez uma boa releitura de uma novela de Dürrenmatt e de "A visita", uma boutade sobre o encontro entre o imperador Pedro II e um colono no interior do estado. Vamos a ver o que o Andriolo vai nos oferecer no futuro. Segue o baile. Vale!
Registro #1482 (contos #169) 
[início: 27/11/2019 - fim: 29/11/2019]
"Dois meninos", Leonardo José Andriolo, Cachoeira do Sul: Editora Coralina, 1a. edição (2019), brochura 14x21 cm., 140 págs., ISBN: 978-85-80360-10-9

sexta-feira, 3 de janeiro de 2020

marcelo grassmann

Na tarde quente do último dia do ano, para fugir mentalmente do frenesi e ansiedade dos festejos, decidi ler algo com calma. Como havia passado parte dos dias anteriores organizado os livros de casa, topei por acaso com esse volume do Marcelo Grassmann. Esse encontro conduziu-me a um lugar especial de meu palácio da memória, lugar que não frequentava há tempos. Lembrei-me que dei um exemplar deste livro de presente para a Helga, logo nos primeiros meses de nosso relacionamento, mas como eu não era indiferente à beleza do livro e ainda não imaginava que um dia nossos livros estariam todos juntos, num mesmo apartamento, tratei de comprar um outro exemplar, só para mim. Fiz isso com pelo menos uma vintena de outros livros de arte, ai de mim. Pois neste volume, publicado originalmente em meados dos anos 1980, estão reunidos mais de uma centena de reproduções de desenhos, litografias, xilografias e gravuras em metal de Marcelo Grassmann, para mim o mais especial dos muitos bons gravadores que nasceram no Brasil (ele era paulista, nasceu em 1925 e morreu há sete anos, em 2013). Grassmann era muito respeitado pelo seu domínio das técnicas gráficas e de impressão. Seu trabalho é povoado por figuras fantásticas, um universo plástico onde mitologia, surrealismo, fantasia, inconsciente e imaginação se fundem. Em função de sua atividade também como professor Grassmann conhecia bem História da Arte, de forma que são incorporados em seus trabalhos várias citações e elementos das formas artísticas. Seus trabalhos provocam mesmo aqueles que não têm o olhar treinado, de especialista, uma miríade de associações, uma festa para os sentidos. O jogo de claro e escuro, de luzes e sombras, particularmente importante nestas gravuras e desenhos, serviu-me para esquecer dos assuntos do dia, relaxar da mundanidade forçada às quais as redes sociais parecem querem nos prender, intoxicando-nos. Foram horas de puro deleite. O livro inclui um longo ensaio, assinado por Pedro Manuel, referências bibliográficas e uma curta cronologia da vida de Grassmann. Se em 2019 dediquei-me muito mais aos ensaios e à poesia que aos romances e aos contos, acredito que em 2020 farei mais incursões pelo mundo da arte, pelas exposições, pelas catedrais artísticas, pelos mitos, pelas Citeras espirituais, aquele tipo de aventura que oxigena nossos sentidos. Vamos a ver. Vale! 
Registro #1481 (livro de arte #32) 
[início: 31/12/2019 - fim: 01/01/2020]
"Marcelo Grassmann", Marcos A. Marcondes (organizador), São Paulo: Art Editora Ltda, 1a. edição (1984), capa-dura 24x30 cm., 140 págs., sem ISBN