quarta-feira, 5 de março de 2014

Berlim

Foi com don Landgraf a primeira vez que conversei seriamente com alguém sobre ir um dia até Berlim. Em meados de 1980 ele havia voltado de uma curta viagem por lá e fez uma de suas costumeiras sínteses fundamentais: "Berlim é o tipo de cidade que está uns cem anos mais próxima do apocalipse que as demais". Depois conversei muito com a doña Katya, que por um lance de sorte estava lá em 1989, quando o Muro caiu. No final dos anos 1990 don Piquini, que morou por mais de um ano lá, contou-me muitas de suas aventuras e descobertas. Nos últimos anos tenho lido coisas de Cees Nooteboom, que fala da Alemanha e sobretudo de Berlim com assombro e com a alma do poeta (que sabe também contar histórias). Enfim, em meados do ano passado Helga e eu havíamos decidido: "Nas próximas férias de verão, Berlim. É tempo." E foi por conta deste projeto antigo de viagem à Berlim que abandonei por tantas semanas este blog a sua sorte e a seus leitores contumazes (e os há, que bom, alegria das alegrias). No início de fevereiro, logo após digitar as notas finais do absurdo 2013, embarcamos, primeiro a Madrid (sempre cara às minhas felicidades mirradas) e logo a Berlim. Durante três semanas "we were drowning in honey, stingless", mas existe sempre uma hora de abandonar nossas Citeras espirituais, voltarmos ao mundo real e aos afazeres domésticos. Ontem completei meus 53 anos, quase em olor de santidade, tamanhos foram os mimos que recebi, luck me. Hoje é o primeiro dos dias de meus 54, já é tempo de voltarmos aos registros de leitura, afinal esse esse não é um blog de memórias, de reminiscências de viagens, mas sim sobre os livros que eu li. Vale. Li e usei vários livros quando planejava os caminhos pela cidade: "Berlim - Seu guia passo a passo" é muito útil, sobretudo por conta de seus mapas; "Frommer´s Berlin day by day" é super completo, eficiente; "Berlim Top 10" suficientemente conciso para informar sobre o que não se deve deixar de ver em uma grande cidade; "Berlim PopOutMap", o mais prático de todos. Usei também vários sites, entre eles o sempre divertido "Viaje na viagem", do Rick Freire e o oficialíssimo e fundamental "Visit Berlin". Mas "Berlim - Guia Visual", como já denuncia o título, parece servir melhor àqueles que precisam estimular visualmente à memoria voluntária (a memória involuntária, já nos ensinou Proust, percorre caminhos bem diferentes e incontroláveis antes de fazer brotar as cousas do esquecimento). Todas as indicações, informações, descrições importantes são ilustradas, as fotografias e os mapas realmente ajudam o leitor a se localizar-se espacialmente nos locais que visita. Os textos são também um tanto mais longos que aqueles típicos dos demais guias. Se obviamente não esgotam os temas, ao menos sugerem ao leitor as chaves necessárias para procurá-las rapidamente em outros lugares. As sessões do guia sobre a história da cidade, hospedagem, restaurantes e bares, locais para compras e serviços são objetivas, claras. As propostas para estadias feitas de acordo com o número de dias que o leitor ficará na cidade parecem exequíveis. O que mais gostei nesse guia são as sessões dedicadas aos principais museus. As plantas baixas e ilustrações levam o leitor pelo labirinto das salas, dos edifícios, dos espaços públicos. Claro, nada supera a experiência do encontro com as coisas reais ou mesmo a surpresa de um achado, de uma mudança de planos, de uma sugestão de última hora que acolhemos. As coisas mais memoráveis são em geral produto de uma associação que cada indivíduo faz por acaso e é intransferível para os demais. Todavia, aqueles que costumam viajar por meses espiritualmente antes de se atreverem a enfrentar os controles de passaportes e máquinas de raios-X irão gostar desse tipo de livro, um tipo silente de companheiro de viagem. Bueno. Agora é tempo de recuperar os registros de leituras que ficaram esperando minha volta. Logo veremos o que me lembro deles.
[início: 01/08/2013 - fim: 28/02/2014]
"Berlim: Guia Visual Folha de São Paulo", Ewa Szwagrzyk (editora), tradução de Carlos Rosa, São Paulo: Publifolha (Grupo Folha), 1a. edição (2012), brochura 13x22 cm, 354 págs., ISBN: 978-85-7914-363-5 [edição original: DK Eyewitness Travel Guide: Berlin, Malgorzata Omilanowska (London: Dorling Kindersley / Penguin Randon House) 2012]

3 comentários:

Clara Lopez disse...

Que maravilha, três semanas viajando é bom demais, e Berlim é um sonho meu conhecer, assim como Lisboa, Barcelona, Madri, enfim, tantos lugares pra ir, e o dólar só subindo :))
grande abraço, adoraria ler suas impressões de viagem,
clara

Clara Lopez disse...

Merci pela gentileza de responder em meu blog, Aguinaldo, espero mesmo que você tenha um site no Instagram e o divulgue aqui pra gente suas fotos de viagem :))
Grande abraço, tudo de bom sempre,
clara

Clara Lopez disse...
Este comentário foi removido pelo autor.