quarta-feira, 3 de agosto de 2011

hotel íris

As histórias sobre o Japão e as cousas que aprendi sobre os japoneses já fazem parte da forma como entendo o mundo, fazem parte de minha formação, num misto de admiração e reservas, ambas não exatamente justificáveis. Não sou um entusiasta cego da cultura japonesa, principalmente do etnocentrismo característico deles, mas de qualquer forma, tenho uma curiosidade intelectual sobre esse país e seu povo que transcende a mera aversão ao "noigrandes", o mero horror ao tédio. Encontei este pequeno romance noutro dia e a edição me chamou a atenção. Discreta e provocadora ao mesmo tempo. Yoko Ogawa, a autora, nascida em Okayama, no sul do Japão, tem seus cinquenta anos e já publicou mais de vinte romances. É uma escritora respeitada e premiada em seu país, mas não é exatamente a mais traduzida ou mais influente. Esse seu livro me agradou. Nele acompanhamos a história de uma garota que se envolve com um sujeito bem mais velho. Ela ajuda sua mãe na administração de um hotel de uma cidade costeira. Ele é um tradutor do russo, que vive afastado em uma ilha, nas proximidades da cidade em que vive a garota. O relacionamento dos dois não é trivial. Ambos experimentam medo e prazer na relação, encantamento e curiosidade no que descobrem um do outro. Entendemos desde o início que o tradutor é um personagem perverso, mas a garota é um personagem crível, que experimenta seu corpo sem convencionalismos (entender as variantes do comportamento sexual de cada povo é uma empreitada sutil e complexa como poucas). É um livro perturbador, na medida em que apresenta ao leitor uma situação limite nas relações humanas, que ao mesmo tempo nos atrai institivamente e nos choca moralmente. Enfim, Yoko Ogawa descreve como pessoas se relacionam no dia a dia, sem se aprofundar nas motivações externas aos atos delas, seus curiosos personagens. Livro interessante. Deve ser difícil encontrar outra coisa dela, mas vou procurar. [início 25/07/2011 - fim 31/07/2011]
"Hotel Íris", Yoko Ogawa, tradução de Marly Peres (a partir da tradução francesa de Rose-Marie Makino-Fayolle), São Paulo: editora Leya, 1a. edição (2011), brochura 12x21 cm, 205 págs. ISBN: 978-85-8044-090-4 [edição original: Hoteru Airisu (ホテル・アイリス) Tóquio, 1996]

2 comentários:

Andressa disse...

também tenho curiosidade intelectual sobre o japão, obrigada pela dica :)

Aguinaldo Medici Severino disse...

pois é uma leitura impactante.
bom divertimento.
um abraço