quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

la ruta joyce

Junto com a "Dublinés", biografia desenhada de James Joyce, encomendei de Alfonso Zapico essa sua outra graphic novel, "La ruta Joyce". Apesar de brotar da vida e da obra de Joyce esse livro tem um outro propósito, descrever a gênese e desenvolvimento de um projeto, aquele que tornou-se o "Dublinés" que conhecemos. Para isso Zapico fez, entre setembro de 2008 a junho de 2011, um conjunto de viagens que todo joyceano e/ou admirador da obra de Joyce gostaria de fazer. Ele sai de Angoulême, na França, onde vive, com seu caderno de esboços, mochila e câmera fotográfica, as vezes sozinho, outras vezes com sua mulher, Manuela, primeiro para Dublin, depois, refazendo basicamente os caminhos que o próprio Joyce fez ao longo da vida, indo a Trieste, Paris e Zürich. Em uma das viagens a Dublin ele participa ativamente de um Bloomsday, a festa literária que é comemorada todo 16 de junho em homenagem a Joyce. As viagens são espaçadas, ele volta sempre a Angoulême, discute seu projeto com os colegas da Maison des Auteurs d'Angoulême, participa de eventos literários, congressos dedicados a obra de Joyce, encontra pesquisadores e especialistas em sua obra. Mas são suas descrições das cidades aquilo que prende o leitor ao livro. Ele é mesmo um grande observador e sabe pontuar os dados factuais relacionados à Joyce com suas impressões sobre a política, economia e cultura européia de hoje, num contraste que torna o livro mais que apenas um exercício de estilo. O livro serve a vários propósitos. Pode ser consultado como um bom guia de viagens (as informações dele sobre os horários impossiveis de alguns museus ou a penúria de alguns, verdadeiros caça-níqueis que somente usam o nome de Joyce, sem de fato servirem como fonte de informação ou prazer, são excelentes). Pode ser consultado como uma separata de seu portfólio, um recorte sentimental de seu livro anterior. Os projetos humanos sempre tem algo de errático. É razoável que aquilo que planejamos e aquilo que finalmente podemos apresentar como resultados sejam diferentes (as vezes substancialmente diferentes). Pois "La ruta Joyce" chega ao fim nos apresentando esse sentimento, como se Zapico nos desse um presente mais, compartilhando conosco a impressão de ter aprendido mais do que pode apenas registrar em livro e nos convidando a experimentar, nós também, esses caminhos, essas rotas. Deve ter mesmo sido uma experiência seminal essa a dele.
[início: 13/01/2013 - fim: 19/01/2013]
"La ruta Joyce: Dublín - Trieste - París - Zúrich", Alfonso Zapico, Bilbao: Astiberri ediciones, 1a. edição (2011), brochura 15x21 cm, 206 págs., ISBN: 978-84-15163-42-8

Um comentário:

Clara Lopez disse...

Você, definitivamente, é um apaixonado por Joyce..:) Tive um colega na UFG, também escritor e poeta, Heleno Godói de Sousa, que me apresentou ao bloomsday, mas não cheguei a fazer parte de nenhuma comemoração. Esse livro parece bem interessante,
um abraço,
clara