segunda-feira, 25 de abril de 2016

grande sertão: veredas

Eu havia decidido publicar um registro da leitura desta versão em quadrinhos do "Grande Sertão: Veredas" no dia 23 de abril, dia em que tradicionalmente são homenageados dois mortos ilustres: William Shakespeare e Miguel de Cervantes. Esse último 23 de abril era ainda mais especial, pois se passaram 400 anos da morte deles (há uma incorreção nas datas, mas isso pouco importa). As festividades na Inglaterra foram mais pomposas (há um portal dedicado a essas festividades, o Shakespeare 2016), mas os espanhóis também conseguiram produzir homenagens adequadas (encontrei uma boa palestra de Don Francisco Rico, maior especialista contemporâneo em Cervantes, no portal IV Centenario). Bueno. Na semana passada decidi que ninguém além do velho e bom Guimarães Rosa ficaria bem ao lado daqueles dois portentos, homenagearia os dois do jeito certo. Acontece que recebi e li exatamente no sábado 23/4 uma plaquete incrível, com um texto seminal do J.M. Coetzee, "Sobre a censura", texto que deveria ser lido por qualquer pessoa que se imagine um dia falar com propriedade sobre censura e opressão (ou que tenha interesse em literatura). Mas vamos voltar ao Rosa. Essa versão é assinada por Eloar Guazzeli, conhecido ilustrador e quadrinista gaúcho. Ele assina o roteiro da adaptação, que sabiamente resume-se apenas a selecionar do mar de palavras do Rosa os trechos mais emblemáticos e poderosos, apenas os excertos que melhor pudessem passar pela metamorfose para a linguagem das histórias em quadrinhos. Convenhamos, não deve ter sido uma tarefa fácil. As ilustrações são de um outro gaúcho, Rodrigo Rosa. O industrioso Marcos Strecker, diretor da editora Globo, o Guazzelli e o Rodrigo Rosa falam sobre o projeto em um "making-off" que está disponível no YouTube. Claro, nada substitui a leitura do original, mas um leitor saudoso de Riobaldo Tatarana, Diadorin e de todos os demais personagens ou das andanças deles pelos Gerais, saudades do itinerário mágico pelo sertão e pelas letras que João Guimarães Rosa inventou, gostará também desta adaptação. Vale.
[início: 21/04/2016 - fim: 23/04/2016]
"Grande Sertão: Veredas", João Guimarães Rosa, Roteiro de Eloar Guazzelli Filho, Ilustração de Rodrigo Rosa, São Paulo: Editora Globo (Coleção Biblioteca Azul), 1a. edição (2014), brochura 21x28 cm., 180 págs., ISBN: 978-85-250-5775-4

2 comentários:

Clara Lopez disse...

Me lembro que li Grande sertão para fazer uma prova de aula num concurso público para a UFRJ, lá pelos anos 80. Como era um concurso, acabei lendo e fichando tudo que se tinha escrito sobre a obra naquele então, e a que eu pude ter acesso. Foi uma verdadeira travessia, em todos os sentidos. Já perto da prova, aula pronta, chamei umas amigas, que fizeram uma rodinha em torno de mim, em meu quarto, e dei a aula. Elas aplaudiram, eu passei no concurso, mas, hélas, a vaga (única) ficou para quem ela era destinada. Há isso em concursos, e eu sabia disso, ou seja, há sempre a possibilidade de um concurso público ser 'para alguém' - mas que doeu, doeu, porque não havia nenhuma aspecto do livro que eu não tivesse estudado, com os melhores críticos. Foi ótimo, por outro lado, porque fiquei para sempre melhor com ele dentro (e fora) de mim.

Confio em seu discernimento sobre o valor dos quadrinhos, mas que é uma grande aventura e uma aposta de muita coragem dos desenhistas e colaboradores, lá isso é.

Grande abraço,
Vera Queiroz

Clara Lopez disse...

Você sempre a gentilíssima pessoa de sempre, Aguinaldo, obrigada. Vou procurar essa versão em quadrinhos, claro, seus amigos só podem ter acertado, e eu tenho alguns amigos cinéfilos que vão se encantar por essa versão.

Obrigadíssima por me enviar a plaquete, vou mandar o endereço para seu email, e concordo que a decisão de fechar a distribuição só na cidade, nos privando do acesso ao texto, é uma pena mesmo.

Grande abraço, que a vida continue vibrando nas páginas dos grandes autores, e na vida pós impeachment também.
Vera

PS: Enviei o endereço para seu email. merci!