sexta-feira, 6 de março de 2009

ariel

Este belo livro reune 40 poemas de Sylvia Plath. A edição é bilingue, bem cuidada, com fac-símiles das páginas datilografadas originais e com fac-símiles dos vários manuscritos do poema que dá nome ao livro, através dos quais podemos acompanhar a gênese mesma do poema. A primeira edição deste livro é de 1965, mas recentemente, em 2004, o livro foi publicado na forma que se acredita a autora tenha definido como a ideal. A tradução foi feita por Rodrigo Garcia, escritor, acadêmico e poeta ele também, e Maria Lenz de Macedo que graduou-se aqui em nossa gloriosa "universidade federal em santa maria". Ariel e Sylvia Plath sempre geraram controvérsia por conta de uma pretensa adulteração dos originais promovida pelo marida dela, o também poeta Ted Hughes. Como ela suicidou-se pouco depois de terminar de organizar os originais de Ariel, não foram poucos que acusaram o marido de censurar poemas inteiros. Aliás é mais comum ouvir falar de Sylvia Plath em rodas de dicussão feminista ou em debates sobre os direitos das mulheres que em congressos e encontros acadêmicos de literatura. Paciência. O livro inclui um prefácio da filha da autora, a também poeta Frieda Hughes. Pois lendo-o percebe-se que a versão melodramática "mulher frágil e a frente do seu tempo" versus "marido infiel e mutilador de poemas", não corresponde a realidade. Frieda Hughes é muito generosa à memória do pai, tanto como escritor cioso de sua obra e daquela de sua companheira morta, como figura paterna modelar. Não são poemas fáceis, que se prestem a serem recitados em convescotes de poetas tolos, a autora exige concentração e imaginação do leitor. Alguns são curtos e sintéticos, outros bem mais longos e reflexivos. Gostei da série de poemas onde há uma metáfora envolvendo abelhas e balas. Noutro, a menção sofrida ao rio Letes, o rio do esquecimento, é mesmo um repasto para qualquer analista. É bom deixar-se encantar por este belo livro. [início 31/01/2009 - fim 03/02/2009]
"Ariel", Sylvia Plath, tradução de Rodrigo Garcia Lopes e Maria Cristina Lenz de Macedo, editora Verus (1a. edição) 2007, brochura 12,5x18, 209 págs. ISBN: 978-85-7686-026-6

Um comentário:

cristina macedo disse...


Aguinaldo, creio ter lido teu comentário na época em que o escreveste. Talvez o Dado tenha comentado comigo. Obrigada por indicar o livro e, mais uma vez, obrigada por tua presença no sarau e pela indicação do Tex. Abração,Cristina Macedo.