segunda-feira, 23 de março de 2009

shakespeare

Em "Shakespeare: O mundo é um palco", Bill Bryson nos ensina como é possível escolher um assunto onde já há muita informação e ainda assim apresentar uma abordagem original. Segundo ele foram publicados nos últimos 400 anos, somente em inglês, mais de 7000 livros sobre Shakespeare. Se um sujeito se dispusesse a lê-los todos levaria uma vida inteira e certamente não chegaria ao fim. Porque então nos apresentar um novo volume? Livro feito por encomenda, ele sistematiza o universo e a fortuna crítica de uma área enorme do conhecimento, apresentando somente as informações totalmente comprovadas e que não são baseadas em especulações e "achismos" da moda acumulada de cada época (isto reduz o que se sabe a algo que se pode trabalhar por um par de anos). Há um pouco de tudo neste livro: história, lingística (a melhor parte eu achei), arte, poesia, economia, arquitetura, geografia e, claro, dramaturgia. O livro apresenta o pouco que se sabe oficialmente e um tanto do que se infere sobre Shakespeare. Por exemplo, somente se aceita a existência de apenas quatorze palavras escritas de próprio punho por Shakespeare, dentre elas seis assinaturas que não seguem, nem ao menos duas delas, o mesmo padrão: ora é Willm Shaksp, ora Wm Shakspe, ora William Shakspere, e outras variações. O sujeito sabia ser discreto e é quase milagrosa a fração de peças dele que sobreviveu, considerando-se o que se conhece da produção teatral de sua época. Mais que apresentar o que se sabe dele: um tanto da vida de seu pai, a escritura das peças, os acordos comerciais que fez, as tentativas de grangear mecenas, a produção dos poemas e dos sonetos, o livro apresenta os muitos enigmas que cercam a vida e a obra de Shakespeare. Uma generosa biografia finaliza o volume. Boa diversão, que deveria levar este leitor a reler algo do velho Shakespeare, mas quem disse que obdeço meus instintos. [início 15/02/2009 - fim 22/02/2009]
"Shakespeare: O mundo é um palco, uma biografia", Bill Bryson, tradução de José Rubem Siqueira, editora Companhia das Letras (1a. edição) 2008, brochura 14x21, 199 págs. ISBN: 978-85-359-1333-0

Um comentário:

Bianca De Vit disse...

Deve ser uma leitura interessante mesmo! No momento, estou relendo Shakespeare. Com outros olhos. Creio que dessa vez eu esteja vendo mais o lado cômico dele, mesmo nas tragédias. E eu, que adoro saber do que se passava com os autores do que leio, adoraria dar uma espiada nesse livro que tu sugeres! Valeu pela dica, sempre preciosa!

Um forte abraço, agora soteropolitano!