quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

james joyce: the last journey

Numa comemoração particular, li esse pequeno livro de Leon Edel no último 13 de janeiro, o dia em que James Joyce morreu. Publicado originalmente em 1947 pela The Gotham Book Mart (uma famosa livraria que existiu em Nova Iorque e foi sede da James Joyce Society), "James Joyce: The Last Journey" reúne três fragmentos biográficos. Edel foi jornalista e professor universitário. Escreveu várias biografias literárias, editou livros e tornou-se conhecido pela extensa biografia que fez de Henry James, com a qual ganhou um prêmio Pulitzer e um National Book Award, ambos em 1963. Em meados dos anos 1940, por sugestão de Eugene Jolas, um conhecido patrono e incentivador de Joyce, Edel visitou Nora Barnacle, já viúva, em Zürich. De todo o material que chegou a reunir nas entrevistas que fez com Nora, seu filho Giorgio e com os amigos de Joyce na cidade restaram apenas os três fragmentos incluídos neste livro ("The Grave", "City of Exile", "The Last Journey"). São narrativas curtas, mas bem interessantes. Edel fala de sua peregrinação a tumba de Joyce, no cemitério Fluntern de Zürich; descreve as dificuldades que a família Joyce teve para emigrar da França à Suiça após o início da segunda grande guerra (Joyce relutou em sair de Paris pois não queria se afastar de sua filha Lucia, internada em um sanatório) e transcreve vários relatos sobre as últimas semanas de vida de Joyce e de seu funeral. O tom é sempre objetivo, jornalístico, seco, reunindo muita informação e fornecendo ao leitor múltiplas associações entre o biografado e suas obras. O sujeito sabia mesmo contar uma história. Bacana. A Paris Review o entrevistou em 1985, vale a pena ler.
[início - fim: 13/01/2016]
"James Joyce: The Last Journey", Leon Edel, Whitefish/Montana: Kessinger Publishing, 1a. edição (2007), brochura 15x23 cm., 48 págs., ISBN: 978-1-43255549-8 [edição original: New York: The Gotham Book Mart (1947)]

3 comentários:

Clara Lopez disse...

Aguinaldo, eu acho que você é uma das cinco pessoas no mundo que mais conhecem Joyce. Você deve dar cursos pelo mundo sobre o tema - escritor e obra, será?

Obrigada pela visita, cher ami, que a mudança de apartamento seja leve, ou o menos pesada possível. Que venham os livros de 2016, e o ano seja pródigo em ótimas energias.
Merci toujours,
Vera

Aguinaldo Medici Severino disse...

Que nada Clara, sou o menor dos anões, mesmo em se tratando de Joyce. Eu leio um bocado de coisas dele, comemoro o Bloomsday e coleciono edições do Ulysses, mas não dou palestras sobre ele não. Abração.

Aguinaldo Medici Severino disse...

Que nada Clara, sou o menor dos anões, mesmo em se tratando de Joyce. Eu leio um bocado de coisas dele, comemoro o Bloomsday e coleciono edições do Ulysses, mas não dou palestras sobre ele não. Abração.